Página Inicial | Circuito Ecoturistico | Mapa dos Atrativos | Treinamento Empresarial | Fotos
Turismo
Regional DF Goiás
Nacional
Internacional
De Aventura
Hotéis Fazenda

Náutico

Educacional

Melhor Idade
Receptivo
City tour
Passagens Aéreas
Locação de Carros

Loja

Roupas Masculinas

Roupas Femininas

Roupas Unissex

Mochilas de ataque

Mochilas Cargueira
Bolsas de Viagem
Sacos Estanque
Pochetes
Hidratantes
Barracas
Sacos de Dormir
Colchões e Isolantes
Iluminações
Equipo Vertical
Agarras Artificiais
Acessórios
Esporte e Ação
Arvorismo
Canionismo
Cachoeirismo
Escalada
Espeleologia
Técnicas Verticais
Rafting
Boia-cross
Mountain Bike
Vôo Livre
Pára-quedismo
Mergulho
Pêndulo
Rope Jump
Slackline
Serviços

Cursos

Paredes de Escalada
Trabalho em Altura
Informações
Notícias

Eventos

Classificados

Qualidade de Vida

Restaurante Natural
Massagem
Yoga
Acuputura
Cultura Bsb
Correioweb
Candango
CCBB Brasília
Secretaria de Cultura
Empresa
Objetivo
Cadastre-se
Fale conosco
 
Técnicas Verticais

É o conjunto de técnicas de subidas, descidas e movimentação em desníveis verticais usando equipamentos de segurança, como cordas, fitas, mosquetões, cadeirinha e outros acessórios específicos. É utilizada na prestação de serviços em altura, resgate em ambientes verticais, ou pelo simples prazer de descer uma parede, uma ponte ou uma cachoeira no denominado cachoeirismo. Sozinhas, as técnicas verticais com rapel não são considerados um esporte, mas sim uma técnica que pode compreender alguns esportes de aventura, como a escalada, no qual o escalador vai ter que ter domínio delas para auxiliar na subida e descida, no canionismo, onde seguindo o percurso do rio no sentido da correnteza, a pessoa vai ter que transpor obstáculos naturais como cachoeiras, e em espeleologia (exploração e estudo de cavernas) onde podem existir trechos com abismos, clarabóias, dolinas, entre outros obstáculos naturais a serem transpostos.

A palavra “rappel” deriva do verbo francês rappeler, que significa lembrar, chamar, fazer voltar, por isso, por muito tempo o rapel foi considerado descida feita por meio de corda dupla, onde após descer, a pessoa recuperava a corda, chamando-a, fazendo voltar para si. Por isso, rapel era feito somente em montanhismo, onde o escalador descia através de cordadas (etapas a serem transpostas de um ponto de ancoragem a outro) e no canionismo, onde para descer as cachoeiras o canionista tinha que recolher a corda para próxima descida.

A descida em corda simples era chamada de “descida em corda fixa”, devido ela estar fixada no ponto de ancoragem, e conseqüentemente não ter como recuperá-la, permitindo com que muita das vezes a pessoa pudesse subir pela mesma, como é o caso da espeleologia, onde o espeleologo desce, mas tem que voltar pela corda utilizando a técnica de ascensão para sair da cavidade.

Devido à popularização da técnica de descida em corda, generalizou-se como rapel toda descida, seja ela em corda simples ou dupla, mais o mais correto continua sendo as abordagens acima relacionadas.

Com desenvolvimento das técnicas verticais as pessoas descobriram que o rapel pode fazer parte do turismo de aventura, permitindo com que elas possam ir para cachoeiras, cânions, vales e cavernas fazer algo a mais para se divertirem e interagirem com estes atrativos naturais, já que para fazê-lo não há necessidade de força física e nem domínio das técnicas. Afinal, os procedimentos técnicos de montagem dos equipamentos e operação em segurança, são as operadoras capacitadas que realizam.

Procure se informar quanto aos cursos e passeios de turismo de aventura com rapel realizados pela Itakamã Ecoturismo & Aventura.

*Rapel com um “p” é a forma escrita em português.

CURSOS:

•Técnicas Verticais – Básico (acesse aqui);

•Técnicas Verticais – Avançado (em breve);

•Serviços Técnicos em Altura (em breve);

•Auto-Resgate em Ambientes Verticais (em breve);

FOTOS:

•Técnicas Verticais (em breve);

•Serviços Técnicos em Altura (em breve);

 
 
 
 
 
 
 
 
 
Voltar
Página Inicial